Facebook Twitter Instagran
 
   
O que fazemos
Publicações
Expediente
Trabalhe Conosco
 
 
   
 
 
     
Blog - 03.11.2017
Protagonismo feminino em voga
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

©iStock.com/PeopleImages Narrativas femininas vendem. Demorou algum tempo para a indústria cinematográfica e televisiva se dar conta disso, mas o protagonismo de mulheres é rentável. O público clama por representações melhores de mulheres na mídia. Exemplo? Mulher-Maravilha, lançado em junho de 2017, dirigido por Patty Jenkins e estrelado por Gal Gadot, arrecadou mais de US$ 821 milhões nas bilheterias e sagrou-se o filme de super-herói mais lucrativo da história.

O Emmy deste ano, maior premiação da televisão americana, atestou que o protagonismo feminino não apenas vende, mas também tem qualidade. As duas séries mais premiadas da noite foram The handmaid’s tale, do serviço de streaming Hulu, sobre uma sociedade distópica fundamentalista que relega às mulheres os papeis de servas, geradoras de filhos ou esposas, e Big little lies, do canal HBO, que debate temas como maternidade e violência doméstica e sexual. Ambas as séries levaram oito estatuetas – incluindo o maior prêmio da noite, Melhor série dramática, para a narrativa distópica, e Melhor atriz em série dramática, para Elisabeth Moss como Offred, a protagonista (você pode ler aqui um post anterior que publiquei no #BlogTemático sobre o livro que originou a série), entre outras categorias.

Mais um destaque da noite foi Veep, que ganhou como Melhor série de comédia, que traz a trama de Julia Louis-Dreyfus (que por sua vez também levou a estatueta de Melhor atriz de comédia) na pele de uma vice-presidente dos Estados Unidos. O episódio duplo de Black Mirror, San Junipero, foi escolhido como Melhor filme para TV, e conta a história futurista de duas meninas que se apaixonam nos anos 1980. Para completar, Lena Waithe foi a primeira roteirista negra a levar um Emmy para casa, por um capítulo de Master of None, no qual ela mesma interpreta uma adolescente lésbica ‘saindo do armário’ para a sua família.

No seu discurso de agradecimento por ganhar a categoria de Melhor série limitada por Big Little Lies (inspirada em livro homônimo, que indiquei neste post), Reese Witherspoon – que além de protagonizar a série, realizou a sua produção executiva –, foi enfática: “Este foi um ano incrível para as mulheres na televisão, principalmente por trazê-las para liderar e transformá-las em heroínas de suas próprias histórias. Obrigado a todos pela oportunidade, e principalmente pela audiência, que nos apoiou e abraçou a causa”. Nicole Kidman, também protagonista e produtora executiva da série (e levou a estatueta de Melhor atriz em série limitada ou filme para a TV, na pele de Celeste Wright), finalizou o discurso com: “Este prêmio nasce de uma amizade que criou oportunidades. Criou oportunidades através da frustração de que nós não recebíamos bons papeis. Então, agora, mais bons papeis para mulheres, por favor. Obrigado”.

Se o próprio Emmy foi um espaço de reafirmação de espaços políticos para mulheres, resta à mídia se comprometer em oferecer melhores chances de representatividade feminina. E isto inclui o jornalismo. De acordo com pesquisa publicada pela Universidade de Nevada, em 2013, que analisou mais de 300 matérias de capa do The New York Times, apenas 19% das fontes entrevistadas eram mulheres (e destas, 17% eram institucionais). Em 2010, a Superinteressante realizou mapeamento semelhante, chegando a um índice igualmente baixo de 25%. São estudos antigos, mas que demonstram o quão pouco estamos percebemos a desigualdade e também o quanto estamos despreparados para enfrentá-la. Só podemos escrever matérias que contemplem o olhar da população se não excluirmos – mesmo que inconscientemente – metade dela. Uma opção para nós, produtores de textos jornalísticos, é o projeto Entreviste uma mulher, do coletivo Think Olga, que disponibiliza um arquivo com contatos de especialistas femininas em diversas áreas, conectando fontes a jornalistas. Que tal começar na sua próxima matéria?

Nathália Cardoso, produtora de textos (Temática). 


Blog - 19.10.2017
Internet como fator de mudança na fotografia
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

Crédito: ©iStock.com/TARIK KIZILKAYA

O avanço das redes sociais, somado a sua relevância no cotidiano das pessoas, trouxe uma mudança interessante para o mundo da fotografia. Se antes a maneira mais comum era tirar fotos na horizontal – pensando tanto nos álbuns de família quanto na diagramação de um jornal –, hoje as mídias digitais nos influenciam a registrar os nossos momentos verticalmente. Se pararmos para analisar, a maioria das redes sociais valorizam imagens captadas na vertical. Basta observar o feed do Facebook ou do Instagram, as publicações dos stories e do Snapchat. Se não for feito verticalmente, a imagem ou o vídeo não se adapta tão bem àquela plataforma.

Quem dita essa mudança é o aparelho celular. Essa tendência começa por uma questão básica: o formato mais comum das telas dos smartphones que utilizamos  "implora" para que tudo seja na posição vertical. Levando em conta que, de acordo com pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), 81,5 milhões de brasileiros acessam à internet pelo celular, é inegável que esse aparelho tem a capacidade de mudar hábitos. O levantamento aponta ainda que o celular está em 92% dos lares no país, sendo o segundo dispositivo mais presente. Perde apenas para os televisores, que abrangem 98% dos domicílios.

Além disso, as câmeras cada vez mais potentes dos celulares fazem com que os aparelhos se tornem grandes rivais das máquinas fotográficas. O levantamento Are smartphones killing digital cameras?, organizado pela plataforma Statista, apurou que, em 2016, as empresas  que são membros da Camera & Imaging Products Association (Cipa) comercializaram 24,2 milhões de máquinas digitais. Em comparação com 2010, esse número representa baixa de 80% das vendas. Somos influenciados pelos smartphones duas vezes: tanto ao registrar o momento quanto ao compartilhar em nossos perfis na internet. Uma dica para os fotógrafos que ainda não se acostumaram com a tendência vertical é tentar captar sempre as imagens das duas formas. Quando fotografar, dê um clique na horizontal e outro na vertical. Assim, haverá opções tanto para versão impressa quanto para o Instagram.

Para quem trabalha com comunicação, esse é um fator importante e que deve ser levado em conta na hora de criar um conteúdo para as redes sociais. Postagens que estão de acordo com o que a plataforma pede, além de mais bonitas, chamam mais a atenção e, consequentemente, geram mais visualizações e interações. É interessante pensar também que o usuário procura sempre o que lhe traga mais facilidade. Se o formato da publicação obrigá-lo a virar o smartphone para outro ângulo, a chance desse esforço gerar desmotivação para seguir olhando o conteúdo é grande. Estar antenado a essas e outras tendências é essencial para manter um bom trabalho na internet e demais plataformas.

Laís Albuquerque, estagiária de Jornalismo (Temática)


Blog - 04.10.2017
Hora de mudar e se reinventar
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

Nos últimos meses, uma enxurrada de notícias tem anunciado a busca de ©iStock.com/maxsattanaalternativas para a retomada da economia. O grande número de denúncias que envolvem o alto escalão da política gera insegurança no mercado a tal ponto que muitas empresas ficam sem saber que rumo tomar. Quem está paralisado, aguardando que uma solução mágica resolva questões existenciais do país, perde a chance de se reinventar. Pode parecer clichê, mas muitos negócios estão retirando o “s” da palavra crise e literalmente criando novas oportunidades. Para especialistas, o foco deve estar em eficiência financeira e tecnologia.

Independentemente do ramo de atuação, apostar em soluções digitais se mostra uma questão de sobrevivência no mercado. Com baixo custo operacional, facilidade de acesso, métricas para verificar resultados em campanhas, preço final mais atrativo e amplo poder de alcance, além de outras vantagens, o e-commerce, por exemplo, tem representado uma alternativa rentável para empreendimentos de diferentes áreas. O 35º relatório WebShoppers indica que 48 milhões de consumidores compraram pelo menos uma vez no comércio eletrônico em 2016 – 22% a mais do que em relação ao ano anterior. Este público nada mais é do que 1/4 da população brasileira.  

Diante dessa realidade, um termo que está cada vez mais em voga é a disruptura, ou seja, a necessidade de romper com determinado modelo, ação ou modo de pensar. E isso predispõe mudanças! Adaptar-se à chamada era da inovação radical significa conviver com robôs inteligentes e drones, entender de big data (grande volume de dados armazenados) e cloud computing (computação em nuvem), usar vários aplicativos, ter ampla conectividade e engajamento nas redes sociais, usufruindo da comunicação multiplataformas. Por isso, muitos empreendimentos estão buscando remodelar suas atividades, para terem mais relevância na vida dos consumidores.

Um estudo realizado pela KPMG, porém, mostra que os brasileiros não estão preparados para novidades. Em uma escala de zero a um, a nota do país foi 0,49 no Índice de Prontidão a Mudanças em 2017– ficando em 79º lugar na lista mundial. Na edição de 2015, o Brasil tirou 0,52 (59ª posição, entre 136 países). O mau desempenho, segundo a pesquisa, está relacionado à redução em gastos de inovação e à piora das finanças públicas.

É preciso estar à frente, acompanhando as transformações do mercado, promovendo melhorias e se antecipando às necessidades dos clientes. As empresas que fizeram o tema de casa ao longo dos anos, pouco sentem ou se mostram abatidas com as adversidades nacionais. À medida que chegam os primeiros sinais de recuperação no país, deve-se ir além: repense qual a relevância do seu negócio, ofereça diferenciais e experiência. Mas antes de apostar em novas estratégias, descubra o estágio da sua transformação digital. Reorganize a gestão para que se possa investir em constante inovação, sem esquecer do maior ativo das organizações: as pessoas.

Cláudia Boff, Jornalista (Temática)

Tags: inovação, digital, e-commerce, disruptura, reinventar


Blog - 15.08.2017
O futuro é uma astronave que tentamos pilotar
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

©iStock.com/CHBDO futuro é uma astronave que tentamos pilotar/ Não tem tempo nem piedade, nem tem hora de chegar/ Sem pedir licença muda nossa vida, depois convida a rir ou chorar”. O trecho de Aquarela, o maior sucesso de Toquinho, é o mote para falarmos do que está por vir. Segundo o futurista Gerd Leonhard, palestrante, músico e produtor, a humanidade mudará mais significativamente nos próximos 20 anos do que nos últimos 300.

Essa linha de pensamento também é adotada pelo consultor José Roberto Resende. De volta de uma viagem ao Vale do Silício (EUA), ele afirma: muitas empresas que hoje são grandes irão desaparecer. Nos Estados Unidos, o número de fechamento de lojas físicas começa a bater recordes. O empresário gaúcho Gustavo Schifino explica o porquê: “Ninguém se deslocará mais por necessidade, apenas por prazer”. Os estabelecimentos de rua, para sobreviverem, precisarão proporcionar ótimas experiências de compra.

Na visão de Leonhard, os automóveis atuais serão substituídos no futuro por carro autônomos e elétricos. Haverá redução drástica no número de veículos individuais, que permanecem 90% do tempo parados em estacionamentos e garagens. Os millennials, por exemplo, já não dão o mesmo valor ao carro que as gerações anteriores. O motorista vai virar o passageiro de um computador sobre rodas sem único dono, podendo utilizar o tempo de deslocamento de forma mais produtiva.

Das 10 maiores empresas do mundo, sete são de tecnologia. Para Resende, quem não existir digitalmente estará fora do jogo. Os conceitos mais trabalhados lá fora, pelas empresas de ponta, são Aprendizado de Máquina, Computação Cognitiva, Inteligência Artificial e Internet das Coisas. Se as máquinas substituíram os braços humanos na indústria, nas próximas décadas os computadores e softwares irão substituir advogados, médicos e professores, em muitos casos. As impressoras 3D produzirão objetos de uso pessoal. Atendentes e caixas vão se tornar profissionais em extinção. “O desemprego aumentará, será um flagelo muito grande”, admite.

Esse momento de profunda transformação terá como personagem-chave a geração que já nasceu sob o domínio da internet. Em poucos anos, ela já será responsável pela maior parte do consumo no planeta. Viciada em prazer, em respostas rápidas e em atividades que façam sentido, a juventude digital tem alta capacidade de produção, mas se frustra rapidamente; quer menos hierarquia nas empresas, porém, sente falta de mentores; lida muito bem com as tecnologias e, em contrapartida, evita contatos pessoais. Entre seus integrantes, o desemprego chega a 27% no Brasil. Com tantos artigos escritos a respeito, os millennials percebem que o mundo corporativo ainda não se preparou para a sua chegada. Uma queixa comum é: as companhias ‘enchem a boca’ para falar sobre carreira, mas não perguntam ao jovem o que ele mais gosta, quais tarefas executa melhor e como poderia desenvolver seu talento.

É tarefa de todo negócio tentar antever sua existência no futuro. O AirBnb ameaça os hotéis sem ter um quarto como propriedade. O Uber tira mercado dos táxis sem ser dono de um carro. Iniciativas educacionais mudam para plataformas mobile com a finalidade de atender consumidores ávidos por facilidades. Em suma: o que deu certo até agora não significa que dará certo amanhã. O empresário precavido repensa periodicamente suas estratégias: em time ganhador se mexe sim. E para terminar com música o que começou assim, o camaleão inglês e lançador de tendências David Bowie deixou dito: “O amanhã pertence àqueles que o conseguem ouvir chegando”.

Diego Castro, Jornalista (Temática)

Tags: futuro, negócios, millennials, tecnologia


Blog - 07.08.2017
Lei Maria da Penha completa 11 anos
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

A história de Maria da Penha Fernandes virou símbolo do combate à violência contra as mulheres. Crédito: Antonio Cruz/Divulgação Agência BrasilHoje, 7 de agosto, a Lei Maria da Penha completa 11 anos. A legislação, criada para proteger as mulheres de abusos e agressões, é considerada fundamental no combate à violência contra a mulher no Brasil.

Maria da Penha é uma farmacêutica cearense, que lutou por 20 anos para ver seu agressor preso. Em 1983, ela foi baleada por seu marido enquanto dormia. A lesão a deixou paraplégica. Sobreviveu, no mesmo ano, a outra tentativa de assassinato, por eletrocussão durante o banho. "Foi uma surpresa grande ver a minha luta pessoal beneficiar tantas mulheres que, assim como eu, foram agredidas", afirmou recentemente, em entrevista ao UOL

De acordo com Fabiana Dal’Mas Rocha Paes, integrante do Movimento do Ministério Público Democrático e promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial e Enfrentamento à Violência Doméstica, o Brasil nasceu sobre a colonização escravocrata e tradição cultural machista. “Por esta razão, durante muitos anos, os atos criminosos praticados na esfera privada ficavam impunes. Note-se que é nesse espaço que as mulheres sofriam e ainda sofrem mais atos de violência. Aplicava-se a conhecida expressão de que ‘em briga de marido e mulher ninguém mete a colher’”, lembra a promotora.

A Lei Maria da Penha é conhecida por 100% da população, conforme indica o levantamento do DataSenado de 2017. E mais: foi reconhecida pela ONU como uma das três melhores legislações a respeito do tema violência doméstica. 

Há, entretanto, muito a se avançar: enquanto se sabe da existência da legislação, alguns pontos e definições não são tão conhecidos, como o que se enquadra no texto. Entende-se por violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico, sexual ou patrimonial. 

Segundo o Mapa da Violência, divulgado em 2015 pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, o Brasil ocupa o 5º lugar, dentre os 83 países com maior número de ocorrências de homicídios femininos. As mulheres vítimas de violências de gênero sofrem com o despreparo das delegacias e de seus funcionários para recebê-las adequadamente (leia mais clicando aqui). Além disso, em 2016, o governo federal retirou o status de ministério da Secretaria de Políticas para as Mulheres, o que Maria da Penha observa como um grande retrocesso. 

Para marcar o aniversário de 11 anos da aprovação da Lei, o Instituto Maria da Penha criou o site Relógios da Violência, que mostra quantas mulheres sofrem os 5 tipos de violência por segundo. “Os dados são alarmantes e precisam ser pulverizados para que homens e mulheres se conscientizem do cenário violento que vivemos”. 

A página entrou no ar às 0h de hoje, contabilizando as horas por números de mulheres vítimas de violência. O instituto convida internautas a visitar o site www.relogiosdaviolencia.com.br e divulgá-lo nas redes sociais. “Entre no site, escolha um relógio e compartilhe com a hashtag #TáNaHoraDeParar, dessa forma podemos ver todas as pessoas que postaram”, orienta a instituição, lembrando que a informação é uma grande aliada das mulheres quando o assunto é violência doméstica e familiar. O site informa também sobre o ciclo da violência. As mulheres estão submetidas a um círculo que se repete. São três as principais fases da agressão: aumento da tensão, ato de violência, arrependimento e comportamento carinhoso.

A Lei Maria da Penha é aplicável em casos de agressões contra a mulher em qualquer idade, inclusive quando é menor e sofre violência doméstica praticada por seu genitor, tendo como elemento comum a caracterização de relação familiar ou de afeto entre o agressor e a vítima. Ou seja, a Lei age em prol da mulher em casos que envolvam o marido, o companheiro, o namorado, o pai, irmãos, ex-namorados e, até mesmo, em relação à cunhada. 

Há também alguns mitos a serem derrubados, como lembra a página Relógios da Violência: “A violência contra a mulher ultrapassa questões de classe, raça, etnia, orientação sexual, renda, cultura, nível educacional idade e religião. Toda mulher pode ser uma vítima. Do mesmo modo que todo homem pode ser um agressor. E como disse a juíza Tatiane Lima, do Fórum Regional do Butantã: Não existe perfil básico de agressor. A violência é democraticamente perversa”. 

Um dado altamente preocupante é o de que a maior parte das mulheres ainda se cala: 52% das vítimas, segundo as pesquisas mais recentes. Isso está fortemente ligado ao fato que, na maior parte dos casos, o autor da violência doméstica é um familiar da vítima, principalmente marido ou ex-marido. “O medo do agressor, a dependência financeira ou afetiva, o sentimento de impunidade, a preocupação com os filhos e até mesmo o desconhecimento de seus direitos, geram à vítima o temor de denunciá-lo”, escreveu Regina Beatriz Tavares da Silva, presidente da Associação de Direito de Família e das Sucessões, Doutora em Direito pela USP e advogada em um artigo.

Quer saber mais sobre o tema? Deixo aqui outras indicações de leitura:

– A Agência Patrícia Galvão colocou no ar um especial com sete matérias sobre os direitos previstos na lei de enfrentamento à violência doméstica, mas que efetivamente ainda não saíram do papel

– Texto sobre prevenção e combate

– 3 em cada 5 mulheres são vítimas de relacionamento abusivo 

– Violência doméstica contra a mulher: quando você pode – e deve – acionar a justiça

Laura Schenkel, Jornalista (Temática)

Tags: Lei Maria da Penha, violência contra a mulher, violência doméstica


Registros 1 a 5 de 31
‹‹ Primeira    ‹ Anterior    Próxima ›    Última ›
 
Arquivos
› Todos os posts
› 2017
› 2016
Tags:  impressos, comunicação, jornalismo, conteúdo, Temática, Mídias sociais, ansiedade, informação, poder, SPA, currículo de fracassos, recursos humanos, currículo, Colaboração, Cooperação, Ambientes virtuais de aprendizado, inovação, mercado, propósito, empreender, pequena empresa, internet, redes sociais, etiqueta, Likes, engajamento, posts, curadoria, sobrecarga, checagem, planejamento, empresa, metas, trabalho, curiosidade, pesquisa, psicologia, cérebro, criatividade, tecnologia, tendências, millenniuns, Reinvenção, negócio, música, autoconhecimento, reconhecimento, carreira, mindufulness, foco, futuro, negócios, millennials, Lei Maria da Penha, violência contra a mulher, violência doméstica, digital, e-commerce, disruptura, reinventar
 
Direto da redação
12.12.2017
Estudo aponta que colaboradores engajados têm melhor desempenho
04.12.2017
Inscrições abertas para a Semana ARP 2017
30.11.2017
Um em cada cinco e-mails corporativos não chega ao cliente
29.11.2017
Divulgados os vencedores do Top de Marketing 2017
 
Trabalhe Conosco
Como você se mantém informado?
Assisto TV regularmente
Leio revistas e jornais
Acesso portais e sites de notícias
Acompanho as redes sociais
Busco informações em diferentes meios de comunicação
 
 
 

R. General João Telles, 524/602 • Porto Alegre/RS • Fone: (51) 3346-1194 • E-mail: admin@tematica-rs.com.br