Facebook Twitter Instagran
 
   
O que fazemos
Publicações
Expediente
Trabalhe Conosco
 
 
   
 
 
     
Blog - 08.05.2020
Frases feitas e expressões para se evitar nos seus conteúdos
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

O trabalho diário com as palavras exige um cuidado que compete com a pressão do tempo, com a disposição de quem escreve ou fala e com a sua bagagem de vida e leitura. Às vezes, até mesmo sem perceber, o jornalista ou comunicador faz uso de expressões que são espécies de 'muletas' textuais ou de fala, para ajudar a colocar as ideias no lugar. O problema é que várias são desnecessárias ou inapropriadas. O leitor/espectador/ouvinte nem sempre percebe, mas vale aqui o alerta sobre algumas situações que tem ocorrido com certa frequência, para que o profissional pelo menos pense duas vezes antes de utilizá-las.

“Quem disse que”: normalmente, essa expressão vem seguida de uma pergunta ou frase preconceituosa, simplista ou inventada, sem autor definido, pois se tivesse um ele deveria ser citado. Exemplos: “Quem disse que lugar de mulher é na cozinha” ou “Quem disse que você não pode mudar o mundo?”. É uma estratégia para introdução de assunto, mas, enfim, é possível buscar outros caminhos.

“Para se ter uma ideia”: expressão absolutamente inútil e pode ser sumariamente cortada em todas as situações em que é ou foi empregada. Basta tentar. Se você a escreveu ou a ouviu, apenas ligue o ponto anterior com o posterior do texto ou da fala e veja se a informação permanece fazendo sentido. Permanece, não é? Pois então...

“Quebrou o protocolo”: talvez alguns comunicadores nunca tenham visto um protocolo. Trata-se uma programação básica de ações a serem desempenhadas por uma autoridade, estabelecendo um cronograma. Uma visita do presidente a Porto Alegre, vai ter às 13h a reunião com o governador no Palácio, às 15h a inauguração da ala hospitalar no saguão institucional, às 16h uma entrevista coletiva na sala de imprensa, às 17h o vôo de partida para Brasília. Nem tudo o que o presidente faz nessa jornada de tempo é uma quebra de protocolo (os trajetos que percorre, o que come ou deixa de comer, ou interações como posar para fotos e distribuir autógrafos), porque o protocolo não vai em minúcias, não diz tudo o que se fazer tintim por tintim. É um guia.

“Nada melhor que”: artifício jornalístico para apresentar uma ação que parece complementar, compensar ou oferecer alívio ao que veio antes. O preocupante é que ela tenta apresentar um consenso, encerrando uma ideia. Veja essa notícia do Globo: “Sábado é Dia do Rock e nada melhor que unir corrida e música para comemorar”. Coloque-se no lugar do leitor, ouvinte ou espectador, e pergunte-se se realmente não há mesmo nada melhor que aquilo que você disse.

“Entre mortos e feridos salvaram-se todos”: perdi a conta de quantas vezes ouvi e li isso no jornalismo esportivo, especificamente. Não que deva ser necessário explicar, mas não há mortos e feridos se todos se salvaram.

"Se depender de": o problema no uso dessa expressão é a relação de causa e efeito em geral inexistente. Uma reportagem na TV mostrou, por exemplo, como crianças divertiam-se com aulas de dança por vídeo durante a pandemia do coronavírus. O repórter encerra a matéria com a frase "Se depender dessas crianças, a pandemia vai passar logo logo". Em primeiro lugar, não depende dessas crianças. Em segundo lugar, dançar não resolveria a questão.

O eterno dilema dos estrangeirismos: nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno. Não é preciso proteger a língua da pátria como seu salvador, nem abraçar qualquer palavra de outro idioma sem questionamento. A dica é apenas conferir se realmente a língua portuguesa não oferece uma alternativa que expresse exatamente o que se quer dizer. Mindset, por exemplo, tem ótima tradução, é mentalidade, modo de pensar. Budget é orçamento, approach é abordagem. Insight tem significados mais amplos, mas, dependendo do caso, talvez também haja a palavra em português que se encaixe, como lampejo, estalo, revelação, compreensão súbita.

Diego Castro, jornalista

Tags: jargão, chavão, frase feita, estrangeirismo, comunicação, escrita, jornalismo


Blog - 09.06.2016
Quanto vale a informação da sua empresa?
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

©iStock.com/Temmuz can arsiray O modelo de negócio do jornalismo passa por uma crise, especialmente na área de impressos. A queda nas vendas decorre da migração dos leitores e da publicidade para plataformas digitais. No Brasil e no mundo, a circulação de jornais e revistas vem caindo e muitos agora só operam online ou fecharam suas portas. É o momento em que as empresas que produzem conteúdo estão se preocupando em medir o valor de suas entregas. Não há dúvidas de que o jornalismo ainda é necessário e continuará sendo necessário para separar fatos de boatos, mas é preciso saber o quanto os leitores querem pagar por informação de qualidade.

Muitos pensadores têm refletido sobre o assunto. O jornalismo agora concorre com o tempo e com o dinheiro que as pessoas dedicam a tudo o que é importante para elas. Cabe aos profissionais da área encontrar maneiras de entrar na lista das coisas mais importantes. “Esse valor não está atrelado a papel, tela, ondas de rádio. Ele está na disposição das pessoas em usá-lo, recomendá-lo, pagar por ele, compartilhar com os amigos”, argumenta o jornalista Leandro Beguoci.

Na visão do diretor de comunicação do Instituto Internacional de Ciências Sociais, Pedro Sigaud-Sellos, ganhará a batalha pelas audiências o veículo não apenas com o melhor conteúdo (notícias, análises, opinião) mas aquele que melhor conseguir entender nosso Zeitgeist, ou seja, o espírito da época. Isso inclui, além de conteúdos originais e de alta qualidade, compreender o funcionamento das redes (tanto em termos sociológicos como tecnológicos), os comportamentos de consumo e aspirações dos públicos mais jovens.

Não basta contar histórias, é preciso se preocupar, constantemente, em mostrar o impacto que elas têm. Os públicos, cada vez mais complexos e atuantes, querem fazer parte dos processos de comunicação (interna ou externa), saber de todas as informações, investimentos, parcerias e demais temas sobre a empresa ou o setor. Nesse sentido, ganham importância os processos de comunicação integrada, de modo a mapear a cultura organizacional, os públicos e suas especificidades de contexto na recepção de mensagens. Uma agência especializada na área entregará ao empresário uma comunicação inteligente e criativa, encontrando formas de que os temas explorados tragam criatividade e entretenimento, coerência com a imagem da marca e oportunidades de interação. 

Diego Castro, jornalista da Temática

Tags: impressos, comunicação, jornalismo


Registros 1 a 2 de 2
‹‹ Primeira    ‹ Anterior   Próxima ›   Última ››
 
Arquivos
› Todos os posts
› 2020
› 2019
› 2018
› 2017
› 2016
Tags:  impressos, comunicação, jornalismo, conteúdo, Temática, Mídias sociais, ansiedade, informação, poder, SPA, currículo de fracassos, recursos humanos, currículo, Colaboração, Cooperação, Ambientes virtuais de aprendizado, inovação, mercado, propósito, empreender, pequena empresa, internet, redes sociais, etiqueta, Likes, engajamento, posts, curadoria, sobrecarga, checagem, planejamento, empresa, metas, trabalho, curiosidade, pesquisa, psicologia, cérebro, criatividade, tecnologia, tendências, millenniuns, Reinvenção, negócio, música, autoconhecimento, reconhecimento, carreira, mindufulness, foco, futuro, negócios, millennials, Lei Maria da Penha, violência contra a mulher, violência doméstica, digital, e-commerce, disruptura, reinventar, atendimento, feedback, problemas, resposta, desempenho, envolvimento, kardashian, social media, maternidade, Costumer Centricity, humanização das marcas, empatia, storryteling, polarização, negociação, consenso, Facebook, privacidade, vazamento, violação, dados, informações, avanços, bom senso, consequências, Comprometimento, doação, marketing, vida, significado, felicidade, stories, ferramentas de voz, vídeos, influenciadores, humanização, Job sharing, Unilever Brasil, Whole Foods, Salesforce, Deutsche Bank, startup, unicórnio, aceleradora, capital, Sebrae, Trabalho remoto, flexibilidade, home-office, capitalismo consciente, John Mackey, Raj Sisodia, sustentabilidade, bem-estar social, valor compartilhado, empresas humanizadas, economia circular, logística reversa, reciclagem, meio ambiente, pegada ecológica, home office, produtividade, pandemia, coronavírus, jargão, chavão, frase feita, estrangeirismo, escrita
 
Direto da redação
17.03.2020
Expediente por home office
23.10.2019
Revistas promovem educação ambiental
29.08.2019
14º Encontro Aberje coloca a comunicação digital em pauta
27.08.2019
Temática participa da 42ª Expointer
 
 
 

R. General João Telles, 524/602 • Porto Alegre/RS • Fone: (51) 3346-1194 • E-mail: admin@tematica-rs.com.br