Facebook Twitter Instagran
 
   
O que fazemos
Publicações
Expediente
Trabalhe Conosco
 
 
   
 
 
     
Artigos - 09.01.2016
O papel do líder no clima organizacional
                                       
 
Envie essa página como dica de leitura para seu amigo. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   
   
   
 
Envie sua opinião sobre essa leitura, dúvida ou sugestão. Sua participação é muito importante!
 
   
   
   


 

Nem todos os funcionários trabalham por dinheiro. Muitos preferem a satisfação de fazer o que gostam em um ambiente bom, do que trocar isso por um alto salário. O reconhecimento torna-se mais importante para este tipo de colaborador.

Mas, também há aquele que, mesmo não tão satisfeito com o que faz, se sente confortável em um lugar promissor, que lhe dá a chance de crescer como profissional, como pessoa. Esses tipos de profissionais acabam se dedicando muito mais e dificilmente se abalam com outra oportunidade de trabalho.

Agora, quantas pessoas você conhece, que tinham ótimos salários e benefícios, e simplesmente abandonaram seu emprego para fugir do seu chefe? Ou fogem porque não aguentam seus colegas de trabalho? Por que não se sentem valorizados?

Portanto, o que retém bons funcionários é o ambiente organizacional e, quando falamos em clima, o “chefe” é o maior responsável. E, quando falamos em chefe, não estamos falando somente do “indivíduo gestor”, mas da empresa que não está sabendo valorizar o seu maior patrimônio, seus colaboradores.

Há empresas que registram uma alta rotatividade de funcionários e passam a investir em treinamentos motivacionais. Muito vem se discutindo sobre como motivar os colaboradores, mas não adianta fazer apenas projetos de motivação em grupo.

É importante conhecer cada colaborador e motivá-lo de uma forma mais efetiva conforme sua necessidade. E como se sabe a necessidade de cada funcionário? Conhecendo-o através do diálogo. A comunicação é essencial para o desenvolvimento de um ambiente de trabalho saudável e produtivo.

Então, vamos lá, existem dois pontos que quero destacar aqui: ambiente organizacional e comunicação. Cada colaborador é responsável por fazer do seu ambiente de trabalho um lugar de desenvolvimento e produtividade. Mas, também, sabemos que o líder é o maior responsável para que isso aconteça. É ele que vai influenciar positivamente sua equipe para um clima organizacional de constante crescimento e realizações.

Ser líder é diferente de ser chefe. O chefe comanda, o líder direciona. O chefe administra, o líder inova. O chefe focaliza no sistema, o líder nas pessoas. Claro que existem funcionários que não colaboram em nada em contribuir com a equipe e muito menos com seus gestores. Mas isso, é assunto para outro artigo.

Se o gestor acredita que o clima é ruim porque os funcionários são ruins, já existe um comportamento totalmente equivocado. O verdadeiro líder precisa chamar a responsabilidade para si. O mesmo deve tratar sua equipe não como números, mas sim, reconhecer o indivíduo e como ele pode dar melhores resultados. Cada pessoa tem sua perspectiva, seus anseios, desejos e convicções, e isso, precisa ser um fator de conhecimento para quem está no comando.

Para conseguir chegar a esse patamar a comunicação é extremamente importante. Uma política de comunicação onde os colaboradores conseguem conversar com seus líderes sobre dificuldades no trabalho, dar sugestões e, até mesmo, apresentar projetos de melhoria, é necessária quando se busca um bom clima organizacional.

O resultado disso é satisfação e comprometimento. Os funcionários passam a se sentir importantes e partes da empresa. Uma comunicação aberta, também evita fofocas e a famosa “rádio-peão”, que resulta em insegurança, criando um ambiente estressante e nada motivador. Comunicação gera confiança e confiança gera melhores resultados.

Uma empresa que não tem o foco nas pessoas, não consegue “segurar” seus bons funcionários. Investir no capital humano é essencial. Tudo na vida se resume no indivíduo, isso, não deve ser diferente quando falamos do mundo corporativo.

Marcelo Cardoso é especialista em coaching, Programação Neuro Linguística (PNL) e fundador da Arco 7


Leia também:
27/06/2018  ›  A importância da gestão do capital humano no processo de mudança organizacional
09/05/2018  ›  O que La Casa de Papel ensina sobre liderança?
13/04/2018  ›  O RH na era da tecnologia: como se atualizar para não perder espaço?
04/04/2018  ›  Não existe cultura de sustentabilidade sem o protagonismo do RH
04/04/2018  ›  Relacionamento é venda
21/03/2018  ›  O valor da verdade na era do fake news
31/03/2017  ›  Para convencer, é preciso se autoconhecer
31/03/2017  ›  Você sabe fazer uso adequado do e-mail marketing?
13/12/2016  ›  Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
22/11/2016  ›  Carreira: o maior patrimônio do profissional
Lista Completa ›
 
Direto da redação
05.12.2018
Fecomércio-RS apresenta projeções econômicas para 2019
04.12.2018
Fiergs projeta economia brasileira em 2019
26.11.2018
Premiações de comunicação e design em destaque pelo país
22.11.2018
Festival promove mais de 450 atividades na capital
 
Trabalhe Conosco
Quantos livros sobre negócios você leu em 2018?
1 a 3
Até 5
5 a 10
Mais que 10
Não costumo fazer leituras sobre este assunto
 
 
 

R. General João Telles, 524/602 • Porto Alegre/RS • Fone: (51) 3346-1194 • E-mail: admin@tematica-rs.com.br